Armas on Line

Seu Portal sobre Armas, Tiro e Colecionismo na WEB

Pistolas Browning (Rev. 1)

with 76 comments

A HISTÓRIA

As histórias de John Moses Browning e da Fabrique Nationale d’Armes de Guerre caminham juntas desde o ano de 1897. Essa feliz combinação resultou em produtos de uma genialidade sem rival, no desenvolvimento e na fabricação de armas de fogo, muitas delas ainda utilizadas até os dias de hoje. John Moses Browning nasceu em Ogden, estado de Utah, nos Estados Unidos da América, em 1855 e faleceu em 1926. Seu pai era um pastor mórmon, que na infância havia sido aprendiz de armeiro, e mais tarde, tornou-se um fabricante de armas, feitas por encomenda. Não seria, pois, surpresa para ele que seu filho iria se tornar um dia, um dos mais prolíficos e geniais projetistas de armas do mundo. Um de seus primeiros projetos de um rifle de repetição chamou a atenção da Winchester Arms Co., de Hartford, Connecticut. Browning e seus irmãos, então sócios na época, produziram cerca de 600 desses rifles. Satisfeita com o resultado, a Winchester resolve adquirir a patente dessa arma e passa a produzí-la, como sendo o modelo Single Shot, de 1885, com diversas variações. Junto com essa patente, veio um modelo de ação por alavanca, que mais tarde se tornaria o famoso rifle Winchester modelo 1886.

Entretanto, em 1897, infelizmente para a Winchester, certos desentendimentos entre Browning e o pessoal da firma fez com que ele decidisse fazer uma “joint-venture” com o fabricante belga F.N.: a Fabrique Nationale d’Armes de Guerre. Assinado o contrato, Browning começou a trabalhar em um projeto de pistola semi-automática, de pequeno porte. A F.N. havia sido fundada em 1889 por um grupo de dez empresários da cidade de Liège para a fabricação de 150.000 fuzis Mauser modelo 1889, destinados ao Governo Belga. Encorajados com o sucesso dessa empreitada, a companhia decidiu prosseguir com a fabricação de armas e novos projetos.

O primeiro projeto de Browning para a F.N. resultou em uma de suas pouquíssimas falhas. Tratava-se de uma pistola automática (disparava tiros em rajadas) que utilizava um cartucho de calibre .38, mas que se mostrou inadequada e muito difícil de ser controlada.

a18img1

Foto: John Moses Browning (1855-1926)

O MODELO 1900

Posteriormente, chegou a vez de uma nova arma, o modelo 1900, que foi a primeira arma projetada por Browning a ser produzida em larga escala. Ela foi precedida por dois modelos: uma patenteada em 1897 que, aliás, seria a base para as pistolas Colt, e a 1899, muito similar à 1900. Essa última foi, na verdade, patenteada em março de 1899.

A impressionante marca de 1.000.000 dessas pistolas foi atingida até o ano de 1912. Foi a arma responsável pela consolidação e introdução comercial do cartucho 7,65mm, que na verdade, era um desenho derivado do .32 Bergmann Simplex. Porém, os dois modelos anteriores de Browning já o utilizavam também.

Uma das características marcantes dessa arma era a sua mola recuperadora, alinhada sobre o cano e paralela ao mesmo, uma solução inédita e que passou a ser um padrão na maioria das armas desenvolvidas desde então. A capacidade do carregador era de sete cartuchos. Nesta época já se notava o acabamento esmerado e o emprego, pela F.N., de materiais de alta qualidade, o que contribuiu para a ótima aceitação de suas armas no mercado.

A título de curiosidade, por muito tempo atribuiu-se a esse modelo o fato dele ter sido utilizado no atentado ao Arquiduque Francisco Ferdinando, herdeiro do trono do Império Austro-Húngaro, quando em visita a Saravejo, na Bósnia, em 28 de junho de 1914, evento que desencadeou a I Grande Guerra. Devido à essa fama, essa arma recebeu o codinome de “mata-duques”.

Porém, hoje já se sabe com certeza, que a arma utilizada foi uma F.N. modelo 1910 (que descreveremos a seguir), em calibre 9mm Curto (9X17), mais conhecido como 380ACP. Essa arma tinha o número de série 19074 e foi uma das tres pistolas que foram fornecidas aos implicados responsáveis por atentar  contra a vida do Arquiduque e que chegou às mãos de um deles, Gavrilo Princip, o autor dos disparos. Esta arma foi recuperada em 2004 e está exposta em um museu em Viena, o Heeresgeschichtliches Museum, na Áustria.

À esquerda, a pistola F.N. modelo 1910 utilizada no assassinato do duque Ferdinando.

Voltando às características do modelo 1900, do lado esquerdo da armação, acima da placa da empunhadura, havia uma pequena lingueta dotada de um botão com acabamento ranhurado, que era a trava de segurança com duas posições. Na posição baixada, a palavra “feu” (fogo) era exibida, gravada na armação. As placas de empunhadura eram feitas de ebonite, material similar ao baquelite que costumavam se trincar devidos à quedas. Possuía o bonito monograma da Fabrique Nationale, as letras FN entrelaçadas. Na parte inferior da empunhadura havia uma pequena argola para a fixação de cordão de segurança, visando o seu uso por policiais. O carregador era retirado por um pequeno retém situado na base da empunhadura.

a18img2

A pistola Browning modelo 1900, em calibre 7,65mm, um sucesso de vendas na sua época.

a18img4

A pistola Browning 1900 (foto do autor, coleção particular)

a18img3

Pistola Browning modelo 1900 (foto do autor, de coleção particular) – percebe-se aqui a janela de ejeção dos cartuchos, situada numa localização incomum nas pistolas de hoje, abaixo do ferrolho.

O MODELO 1903

Em 1903 a FN lançou sua primeira pistola voltada ao uso militar, em um calibre mais potente. Foi a Browning 1903, em calibre 9mm Browning Long, hoje obsoleto, uma versão pouco mais curta que o atualmente bem conhecido .38 AUTO. A Bélgica adotou essa pistola, bem como Dinamarca e Suécia. A indústria sueca Husqvarna a fabricou, sob licença da FN, a partir de 1907. Nessa arma, que ainda é uma pistola sem trancamento de culatra (blow-back), John Browning alterou substancialmente o desenho, colocando a mola recuperadora embaixo do cano e não mais sobre ele, como na 1900. Isso permitiu um desenho com perfil mais baixo. Mecanicamente, abandonou a solução de percussor móvel por ação de mola para um semi-fixo golpeado por um cão interno. A capacidade do carregador também era de sete cartuchos, embora tenham sido fabricados para ela magazines maiores, com capacidade de até 12 cartuchos. Uma coronha de madeira, ao estilo da usadas nas pistolas Mauser C96, foi também desenvolvida e adotada militarmente e se encaixava no prolongamento desse magazine estendido.

a18img5

A Browning 1903, em calibre 9mm Browning Long, versão militar (acima) e um modelo decorado (engraved), para uso civil.

A partir desse desenho, Browning iria nortear o desenvolvimento futuro de pistolas automáticas, inclusive o das Colt Pocket Pistols e até mesmo da Colt 1911.O modelo 1903 possuía, segundo amplamente divulgado pela própria F.N. três dispositivos de segurança: a) uma trava lateral, que bloqueava o cão interno e ao mesmo tempo evitava que o ferrolho fosse aberto. Servia também para travar o ferrolho aberto no ato da desmontagem; b) a trava de empunhadura, a qual teria que ser necessariamente pressionada pela mão do atirador para que o gatilho fosse liberado, e c) trava do carregador, um engenhoso dispositivo que não permitia que a arma disparasse sem o carregador estar totalmente inserido na empunhadura. Algumas dessas idéias foram utilizadas em quase todas as pistolas posteriores, desenhadas por Browning.

O MODELO 1905

Em 1905, Browning patenteou um desenho de pistola semi-automática de bolso, a pedido da fábrica Colt, dos Estados Unidos, em calibre 6,35mm (25 AUTO), que foi chamada de Colt Vest Pocket Pistol, algo como “pistola de bolso”. Nessa mesma época, na Europa, também havia um mercado ávido por armas que fossem facilmente dissimuladas. Assim, em 1906, a F.N. lançou uma pequena pistola, em calibre 6,35mm (.25 ACP), idêntica à Colt Vest Pocket, denominada de modelo 1906. Algumas referências, entretanto, atribuem a ela, o ano como sendo de 1905. A capacidade do carregador era de seis cartuchos, o que permitia uma empunhadura bem curta. Pela primeira vez, em ambas as armas, John Browning inovava com várias idéias: mola recuperadora envolvente no cano e mantendo os dispositivos de segurança já utilizados na 1903.

a18img6a18img7

À esquerda, a Colt Vest Pocket Pistol e à direita a F.N. 1906, ambas baseadas em um mesmo projeto de Browning, em calibre 6,35mm. Como pode se notar, as duas armas eram idênticas.

O MODELO 1910

Com o grande sucesso e aceitação da 1906, a F.N. resolveu lançar, em 1910, uma pistola de uso civil e policial, baseada no projeto da irmã menor, e que seria a sucessora natural do modelo 1900, utilizando, além do calibre 7,65mm, o denominado 9mm Browning Curto, lançado por esta arma e que é hoje o popular .380 ACP. Essa pistola recebeu posteriormente a denominação de Modelo 10. A decisão de Browning de utilizar a mola recuperadora envolta no cano e não abaixo ou acima dele, resultou em um desenho mais moderno, elegante e esguio.

a18img8

A pistola F.N. modelo 1910, em calibres 7,65mm (.32 AUTO) e 9mm Browning Curto (.380 ACP) em versões “presentation”, com placas de cabo em madre-pérola, e a oxidada em negro com placas de cabo em ebonite preto.

Nessa arma, Browning manteve as mesmas características de segurança do modelo 1903 e o sistema ainda permanecia o de culatra destrancada (blow-back). Entretanto, o mecanismo interno era bem diferente. Para a desmontagem, havia uma pequena luva recartilhada, em torno da extremidade do cano que, girada em ¼ de volta, liberava a mola recuperadora. Tirando-se a luva e a mola, recuava-se o ferrolho até que a trava de segurança do lado esquerdo  fosse encaixada no primeiro dente do ferrolho. Girava-se o cano em 1/4 de volta e assim, o ferrolho e o cano podiam ser retirados da armação, juntamente com o percussor e sua mola.

O modelo 1910 parcialmente desmontado, onde se vê a luva, ferrolho, percussor com mola, cano, mola recuperadora, armação e carregador. A desmontagem além desse ponto requer um certa prática. 

Mais uma vez, e até cerca de 1935, a F.N. havia conseguido vender mais de 1.000.000 dessas pistolas. A capacidade do carregador era de oito tiros para o calibre 7,65mm e de sete tiros para a .380. Durante muitos anos ela se manteve em serviço nas forças policiais belgas, holandesas e dinamarquesas. O retém do carregador era situado abaixo da empunhadura e infelizmente é uma solução que exige o uso das duas mãos para retirá-lo.

Browning modelo 1910 em cal. 7,65mm (.32 Auto)

O MODELO 1922 (10/22)

A sucessora da 1910 foi o modelo 1922, mecanicamente idêntica, fornecida nos mesmos calibres, porém com cano e empunhadura mais alongados. Rapidamente, foi substituindo a 1910 nas forças policiais, por permitir maior capacidade de tiros e melhor precisão. Para se adaptar ao comprimento maior do cano, foi introduzida uma luva maior, acompanhando o perfil externo do ferrolho e fixada com um sistema tipo baioneta, com encaixes internos que se soltavam com ¼ de volta, após leve compressão da mola recuperadora.

a18img9

O modelo 1922, mecanicamente idêntica ao modelo 1910, mas oferecendo um cano mais longo e um carregador com maior capacidade de cartuchos.

A F.N. tinha em mente o mercado militar para essa arma, apesar de oferecê-la em dois calibres relativamente fracos para essa finalidade. Mesmo assim, a arma foi adotada pelo Exército Holandês, pela Iugoslávia e pela própria Bélgica. Durante a ocupação belga pelas forças alemãs na II Guerra, os alemães mantiveram a produção dessa arma, apesar de terem piorado a qualidade, consideravelmente. Armas desse modelo que são encontradas com marcas alemãs são comuns na Europa e devem ser inspecionadas com cautela antes de serem utilizadas. Outra nomenclatura muito utilizada para esse modelo é 10/22. A capacidade de cartuchos era de 8 e 9, respectivamente para a 380 AUTO e 7,65mm Browning. O modelo 10/22 foi produzido em larga escala e sua fabricação só se encerrou em 1983.

a18img10

Vista interna da pistola Browning 10/22 – nota-se que, ao contrário do modelo 1903, o percussor agora era móvel, por ação de mola.

O MODELO “BABY” BROWNING

Por volta dessa época, depois de vários anos de produção da Browning 1906, em calibre 6,35mm, com mais de 4.000.000 de armas produzidas, a F.N. decidiu lançar a Baby Browning, no mesmo calibre, mas com desenho bem diferente do anterior. Havia três versões básicas: as duas primeiras eram idênticas mecanicamente, mas o modelo vendido na Europa possuía a inscrição “Baby” nas placas da empunhadura; as enviadas ao mercado norte-americano, apenas o logotipo F.N.; a terceira versão teve seu peso aliviado pelo uso de um corpo em alumínio e só foi comercializada nos Estados Unidos. A capacidade do carregador das três versões era a mesma, de seis cartuchos.

a18img11

A Baby Browning em calibre 6,35mm para o mercado Europeu

O MODELO 1935 “HI-POWER”

Por volta de 1926, o Governo Francês havia preparado um projeto para substituição de suas armas curtas, e este projeto contemplava uma nova pistola, que deveria possuir certas particularidades: fácil desmontagem, cão externo, capacidade mínima de 10 cartuchos, um dispositivo que travasse a arma quando o carregador fosse removido, dentre outras exigências. O homem escolhido para liderar o projeto foi John Browning, que por causa de problemas de patente de sua 1911, ainda em mãos da Colt Firearms, não pode utilizar livremente de soluções já empregadas naquela arma.

Infelizmente, em 1927, John Browning morre de um ataque cardíaco, quando estava na Bélgica, e nunca pode terminar o projeto. Porém, deixou os desenhos e projetos de posse da Fabrique Nationale D’Armes de Gurrre, que felizmente possuía em seu quadro de funcionários outro talentoso projetista, Dieudonée Joseph Saive.

Dieudonée se tornaria mais tarde engenheiro projetista chefe da F.N., e viria a ser o criador do famoso fuzil semi-automático FN Mod. 1949, adotado pela Marinha Brasileira em meados do século XX.  Das idéias de Saive surgiu o carregador bifilar, o que fez dessa pistola a primeira no mundo a utilizar esse sistema. A capacidade pode então ser aumentada para 13 cartuchos. Sabe-se que as pistolas Mauser C96, desde 1896, já usavam carregador do tipo bifilar, e com capacidade de 10 ou 20 cartuchos; porém não se tratava de carregadores destacáveis e sim, de fixos, carregados por clipes.

Saive também deixou como legado o fato de ter batizado a arma com o nome “Grand Puissance”, depois internacionalmente conhecida como Hi-Power. Felizmente para Saive, em 1928 expirou a patente da pistola Colt 1911 e ele pode desenvolver um sistema de desmontagem simplificado, tal e qual usado naquela pistola.

Browning já havia registrado a patente em 1927, somente três meses antes de sua morte. Nesta arma, o sistema de travamento de culatra (locked-breech) era similar ao desenvolvido por Browning para a Colt 1911, e recebeu melhoramentos, como a eliminação da pequena biela articulada ao cano, substituída por um engenhoso encaixe deslizante. Como na Colt, há dois ressaltos transversais na parte superior do cano que se encaixam em cavidades no ferrolho. Porém, eliminou a biela móvel que era utilizada na Colt em favor de um sistema fixo, evitando a flutuação excessiva do cano após os disparos.

Browning a projetou para a utilização do calibre alemão 9mm Parabellum, lançado e adotado pela Alemanha em 1908 nas pistolas Parabellum (Luger), e que nesta época já era considerado um dos melhores calibres de uso militar, no mundo. Muitos estudiosos julgam que a Browning 1935 é a sucessora natural das pistolas Colt 1911, ambas projetadas pela mente genial de Browning.

a18img12

Modelo básico de início de produção da Hi-Power M1935

Embora o gatilho possua aparência que sugere uma pistola de dupla-ação, o sistema era de ação simples, tal qual uma Colt 1911, ou seja, o cão tinha que ser armado manualmente, para o primeiro tiro. Browning eliminou a trava da empunhadura, porém manteve a trava do carregador que, quando removido, evita o disparo acidental. Trata-se de uma pistola que provou ser uma arma de alta confiabilidade, capaz de disparar com quase qualquer tipo de cartucho 9mm Parabellum padrão, e isso fez com que, com algumas modificações, seja até hoje produzida. Foi também, após a II Guerra, copiada inclusive pela China.

Ironicamente o próprio Governo Francês não se interessou mais pela arma, mas a Bélgica a adotou e a usou na II Guerra, bem como a própria Alemanha após a ocupação deste país. Talvez com a exceção da própria Colt 1911, essa pistola tem tido grande sucesso e muita utilização no mundo, sendo adotada pelas Forças Armadas da Grã-Bretanha, Canadá e Dinamarca, dentre outros países. Foi utilizada extensivamente na II Guerra Mundial pelos combatentes dos dois lados.

Durante o conflito, como a F.N. ocupada era incapaz de suprir exércitos aliados com essa arma, a firma John Inglis Co. Ltd. de Toronto, Canadá, um dos países que rapidamente adotaram essa pistola, resolveu produzi-la localmente. Uma história interessante aconteceu nesta ocasião. Os desenhos e as especificações técnicas, bem como os processos de fabricação da 1935 estavam somente disponíveis em uma determinada localidade no sul da França e que, por algum motivo até hoje desconhecido, estavam impossibilitados de serem enviados ao Canadá. Por outro lado, John Inglis teve acesso à seis armas montadas que, chegando à suas mãos, foram totalmente desmontadas e estudadas meticulosamente pelos engenheiros da empresa. Através delas, o pessoal da Inglis criou os desenhos e estabeleceram as dimensões e tolerâncias, levando-se em conta somente as medições presentes nos exemplares. Finalmente, deu-se início à produção e aos testes finais, que resultaram em produtos tão bons quantos aos que serviram de base. Muitos anos depois, a Inglis teve acesso aos desenhos originais da F.N., e qual não foi o espanto dos engenheiros ao verificarem com que exatidão eles haviam criado os seus próprios desenhos e as suas medidas corretas.

a18img13

Pistola Browning Hi-Power de fabricação canadense (Inglis), modelo modificado para alívio de peso.

a18img14

Modelo da Inglis especialmente feito para o governo da China, com alça de mira regulável em altura.

A Inglis fabricou duas versões da HP: uma com alça de mira fixa, destinada ao Governo Britânico e outra, com alça de mira regulável em elevação mais coronha de madeira, para a China Nacionalista. Durante a II Guerra, a Inglis produziu 151,000 pistolas para o governo britânico. Uma versão foi desenvolvida como teste, com o corpo em alumínio e o ferrolho em aço. Essa versão nunca chegou a ser comercializada em virtude de que os testes provaram que, ao redor de 2.000 disparos, surgiam desgastes e folgas inaceitáveis. Também no Canadá, mais recentemente, a North American Arms Corporation produziu uma modificação da pistola Hi-Power, que recebeu o nome de Brigadier. Foi desenhada para disparar o cartucho .45 ACP, possui o corpo em alumínio, módulo de disparo removível ao estilo da pistola russa Tokarev e sistema de dupla-ação. A capacidade do magazine da Brigadier é de oito cartuchos.

A Argentina adotou a pistola Hi-Power como padrão em suas Forças Armadas, em substituição à Balester-Molina cal. 45, baseada na Colt 1911. Sob licença da F.N. começou a produzí-las localmente, a partir de 1969, na Direccion General de Fabricacion Militaries, mais conhecida como FM, na cidade de Rosario, interior do país, para a gradual substituição das pistolas Ballester-Molina cal. 45, até então armas padrão do Exército. Essa licença d efabricação durou até 1989, contando com a presença de técnicos da FN durante vários períodos. Essas HP argentinas não devem ser confundidas com as várias cópias não autorizadas existentes, de qualidade questionável; elas são, a bem da verdade, modelos licenciados e com a qualidade assegurada pelo contrato belga.

Hi Power

Pistola Hi-Power produzida pela Fabrica Militar de Armas Portables, de Rosario, Argentina, adotada pelo Exército daquele país.

Deixando de lado o panorama de contratos estrangeiros, sempre foi bem conhecido o fato de que na F.N., a produção de armas decoradas era algo corriqueiro e essas armas possuíam o seu mercado cativo. Houve época em que a F.N. chegou a ter 150 funcionários em sua folha de pagamento, especializados na arte de “engraving”. Até hoje, como vemos na foto abaixo, a produção de armas decoradas ainda é prática, neste modelo de fabricação atual.

a18img15

Exemplar decorado da Browning Hi-Power, produzido na Fabrique Nationale na Bélgica (foto: Browning Arms)

a18img16

Exemplar de produção comercial limitada, fabricação F.N., destinada ao tiro esportivo, dotada de alça de mira regulável em altura e lateralmente (Foto do autor, exemplar de coleção particular).

Atualmente, a F.N. oferece dois modelos da Browning Hi-Power, produzidos na sua fábrica de Herstal: a Hi-Power Standard e a Mark III, nos calibres 9mm Parabellum e .40 S&W. Além das Hi-Power, a linha de pistolas compreende a Pro-9 e a Pro-40, nos mesmos calibres acima, bem como da moderna e revolucionária pistola “Five-seveN”, um projeto em carcaça de polímero, dupla-ação, que inclui um novo cartucho de calibre 5,7mm X 28mm de alto poder de penetração. Em 1989, a FN Herstal, já proprietária da Browning Arms Co. (fundada em 1927), adquiriu o controle acionário da USRAC (U.S. Repeating Arms Co.), que era a detentora da famosa marca das carabinas Winchester.

Capturar1Browning Hi-Power de produção recente, onde se verifica o alto grau de qualidade no acabamento ricamente engravado

*** *** ***

Written by Carlos F P Neto

04/08/2009 at 15:04

76 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. Boa tarde, eu possuo uma Pistola Browning – Modelo 1900 – 7.65 mm, em bom estado. Gostaria de saber seu valor no mercado de colecionadores.

    Edson

    16/11/2014 at 14:31

  2. Sr. Carlos boa tarde, gostaria de saber como faço para desfazer de uma arma dessa, porque tenho uma guardada aqui em casa há algum tempo que um tio meu que faleceu me deu, mas como nunca irei usar e estou precisando de dinheiro por motivo de saúde, gostaria de tentar vender. O cabo é de madrepérola com umas letras, ela não é niquelada, está precisando de uma limpeza. Por um acaso o senhor poderia me ajudar, me orientando como fazer? Desde já agradeço e aguardo sua resposta.

    Jaqueline Medeiros

    15/08/2014 at 16:25

  3. Meu amigo carlos, te escrevo pela primeira vez, afim que me esclareça uma dúvida.
    Tenho uma browning mod 1910 7,65mm cabo madrepérola em aço escovado e além do número de série ela tem duas escritas no guarda mato: H2,pv e tem um * G. Oque significam?
    Obrigada pela atenção.

    mathias

    07/08/2014 at 2:56

  4. Olá! Recentemente examinei uma FN 1900, que havia sofrido re oxidação (o polimento apagou quase todas as inscrições, estando legíveis apenas o numero de série e bancos de prova belgas) e com talas de madrepérola em vez das originais. Tudo indica não se tratar de uma imitação espanhola ou chinesa, mas achei estranho o fato de que a porção traseira do ferrolho tem um desenho mais retilíneo, em vez da forma levemente arredondada, como em todas as outras 1900 que já vi. Alem disso, foi fabricada sem o zarelho (não foi retirado, pois não tem nem a furacão). O amigo saberia dizer se e uma copia ou variante?

    Erick

    12/07/2014 at 15:44

    • Erick, infelizmente sem examinar com detalhes fica quase impossível afirmar alguma coisa, mas provavelmente deve ser cópia, que existiram em larga escala na época. Grande abraço.

      Carlos F P Neto

      12/07/2014 at 16:53

  5. Parabéns pelo texto. Gostei muito mesmo, pois me ajudou a esclarecer algumas dúvidas a respeito da pistola Browning 1900, que um amigo meu tem, mas não sabe nada a respeito. Eu gostaria muito de trocar alguns e-mails com o autor do texto caso seja possível. Por isso, deixo meu e-mail para contato: douglas.jus@hotmail.com.

    Ou se preferir, por favor me passe seu e-mail Carlos F. P. Neto.

    Desde já, muito obrigado.

    Douglas Melo

    01/04/2014 at 16:20

  6. Prezados amigos e irmãos em armas! Desculpem minhas dificuldades na comunicação virtual. Mas tenho uma dúvida que me persegue há anos, sobre as pistolas Browning Hi Power 9mm (ou Grand puissance). Ocorre que na época vi um exemplar , tudo confere, cabo/empunhadura, placas do cabo, tipo de zigrinado, desenho de perfil do slide, e do cabo, ação simples carr. bifilar, carregadores revestidos c. Teflon ou material de textura similar e uma vareta de limpeza com argola numa ponta e uma fenda na outra. (p/passar um pano de limpeza, ao estilo de armas militares.) A arma que vi era oxidada, com qualidade, tinha mínimos pontos de ferrugem na parte posterior do slide, e as talas eram, como muitas outras que vi, de cor amarelada ou bege claro, tudo exatamente igual a “H.P.”. Ocorre que na lateral do “carrinho” tinha gravado o nome LUGER, dentro de uma moldura c/arabescos, mas bem gravada e nítida, e nenhuma referência a procedência (nem belga, nem canadense, nem chinesa, nem argentina, nada), Face longo tempo decorrido não lembro bem, mas o nome Luger era gravado em traço duplo envolto na tal moldura, gravação nítida, bem definida e relativamente grande. Por que alguém colocaria o nome de uma Luger numa Browning, pois ambas são clássicas e com uns 30 anos de diferença entre si, não faz sentido a tese de falsificação, nunca encontrei uma explicação plausível para esta situação e não tenho mais acesso ao exemplar, que estava em muito bom estado, de aparência, conservação e funcionamento e com os dois carregadores e a referida vareta de limpeza. Tudo o que alguns amigos me disseram é que alguém inadvertidamente gravou o nome da Luger na Browning, PEÇO ENCARECIDAMENTE ME DIGAM ALGO A RESPEITO, PORQUE É UMA DÚVIDA ANGUSTIANTE FACE A TOTAL FALTA DE LÓGICA, OU DE QUALQUER REFERÊNCIA OU ATÉ MESMO DE IDÉIAS A RESPEITO. Aguardo e sinceramente espero que tenham alguma informação sobrwe o que para mim é um mistério, dado ao estado de conservação e qualidade de construção e acabamento em que se encontrava o espécime em questão OBRIGADO.Ronald.

    Ronald Vogt Berthold

    05/12/2013 at 23:20

    • Ronald, eis aí um caso sério. Você bem sabe que o nome Luger nunca foi uma marca de arma; o nome começou a ser utilizado nos USA, referindo-se à pistola Parabellum. Porém, após a I Guerra, em 1929, a Stoeger Inc, que foi importadora da Parabellum nos USA, registrou o nome Luger como marca de sua propriedade. Até onde eu sei, a marca não foi renovada mais tarde e hoje parece estar de posse de um tal Peter Costas. Saiba também que a ERMA, quando lançou a sua “cópia” de Luger em calibre .22 tentou usar a marca Luger na arma e foi impedida pela justiça, pois a marca pertencia à outra empresa. A única coisa que me vem em mente é ter visto, há bons anos atrás, uma pistola do tipo Browning com as marcações Luger e Germany. Sem dúvida, algo grosseiro, a fim de tentar vender melhor a arma. Nunca vi e nem soube de Hi-Power com essa marca, nos meus 50 anos de convivência com armas. Me dê mais tempo, vamos investigar mais juntos à outros colecionadores. Grande abraço.

      Carlos F P Neto

      06/12/2013 at 14:31

      • Olá, prezado Carlos. Em primeiro lugar muito obrigado pela atenção e tempo dispensados. Sempre me pareceu um caso sério este que relatei. E a total falta de qualquer informação sobre o caso, bem como a excelência da construção da arma, e conservação, sendo sua oxidação de um negro brilhante quase azulado e as características teclas de travas ao lado do slide, e o acabamento dos carregadores em “tflon” com ares de modernidade, são intrigantes. E o fato de ter a pistola “HP” sua própria fama de ser uma das melhores pistolas fabricadas em grande escala, usada por uns 50 países, não precisaria servir=se de nome estranho a sua real origem (Luger, e ainda mais antiga e com fabrico inviável em nossos dias) para promover sua venda, Browning venderia muito bem. Muito lógica sua apreciação sobre o fato, devo lembrar que vi tal pistola há cerca de uns 15 a 20 anos, se conseguir conversar com alguém que também a tenha visto naquela época tentarei apurar mais algumas características, além do fato já comentado de estar acompanhada de uma vareta de limpeza em estilo militar e com 2 carregadores no acabamento, cor cinza claro (tipo teflon) já referido. Algo que não recordo é o formato do cão, mas acho que era redondo serrilhado com furo no centro e não como os habituais de revolver como uma unha.. Renovo meus agradecimentos pela atenção e comentário, e aguardo novas notícias, e tenha certeza que se eu lembrar outros detalhes (marcas de prova seriam interessantes), informarei, tendo sido um grande prazer e privilégio, contar com sua experiência e atenção, sincero e fraterno abraço do amigo Ronald.

        Ronald Vogt Berthold

        06/12/2013 at 21:44

      • Ronald, depois de algumas buscas, descobri o mistério par HP de “marca” Luger. Entro em contato com você através de e-mail. Um abraço.

        Carlos F P Neto

        07/12/2013 at 13:38

      • Prezado Carlos, deixe-me dizer de minha admiração pelas respostas que tenho percebido, relativo às perguntas que te fazem, conhecimento e vivência em grau máximo, PARABÉNS, É sempre uma aula ler e reler os comments. Agradeço de novo sua mensagem sobre o e-mail que me esclarecerá dúvidas que manifestei, mas tenho o g-mail, e acho que já mandei tais dados, mas como (jA DITO E AGORA REPRISADO) sou um ANTA na informática, pois ao abrir o g-mail, que pouco uso, não consegui abrir, ali dizia ser necessário abrir um “novo procedimento ou status, que não entendi, então até agora não consegui ler eventuais e-mails (acho que mandaste 1 ou 2) , mas apesar de corroído pela curiosidade, ainda não li e por isso nada comento sobre tuas possíveis informações., Vou ver se resolvo o entrave por aqui, outra vez meus cumprimentos e fraternal abraço, Ronald à disposição do amigo.

        Ronald Vogt Berthold

        08/12/2013 at 18:52

      • Ronald, na verdade não enviei ainda nenhum e-mail mas de qualquer forma, vamos fazer um teste com esse e-mail que informou aqui. Se não me responder, nos contatamos novamente por esse espaço.

        Carlos F P Neto

        09/12/2013 at 9:02

  7. perguntei sobre FN Browning Modelo 1905 cal 6,35mm(.25 ACP) citada acima? por ser um modelo bem antigo deve ser dificil de encontrar.
    gostaria sobre mais informações sobre essa arma de que ano até que ano foi fabricada, hoje quanto que custaria esse modelo?

    Matheus R.

    22/11/2013 at 11:06

    • Matheus, leia antes, por favor, nossa política e procedimentos sobre avaliações. Obrigado.

      Carlos F P Neto

      22/11/2013 at 14:24

  8. bom dia como posso comprar uma arma e ter um registro obrigado…

    Matheus

    17/11/2013 at 7:54

    • Matheus, você deve se informar sobre os procedimentos na loja onde deseja adquirir sua arma; é o primeiro passo de uma LONGA jornada. Abraços e boa sorte.

      Carlos F P Neto

      17/11/2013 at 8:37

  9. Boa tarde Carlos, por motivos de viagem demorei em entrar em contato com o Ribas para efetuar a compra da Beretta 22 modelo 948, quando entrei o Ribas já havia vendido a peça, perdi a oportunidade de adquirir uma arma que desejo, fazer o que né, abraços.

    Gil Cesar Dompieri

    03/11/2013 at 14:48

  10. Boa tarde Carlos, estou prestes a adquirir uma pistola beretta modelo 948 em calibre 22 LR, gostaria de saber se o numero de modelo é referente ao ano 1948, ou se é uma denominação própria da beretta. Grato
    Gil Cesar.

    Gil Cesar Dompieri

    02/10/2013 at 16:18

    • Gil, refere-se mesmo ao ano quando iniciou-se a sua produção, que foi em 1948, apesar de que essa pistola é baseada no modelo 1934, em cal. 7,65 Browning e .380ACP. A 948 foi produzida até 1958. Se essa sua arma é a que foi anunciada recentemente pelo amigo Ribas, está em condição excelente. Abraços.

      Carlos F P Neto

      03/10/2013 at 13:25

      • Boa tarde Carlos, realmente é a que foi anunciada pelo Ribas, fiquei na duvida, pelas fotos postadas realmente aparenta estar em boas condições, vou ver com o Ribas. Abraços

        Gil Cesar Dompieri

        03/10/2013 at 16:26

      • Gil, é uma pistola clássica; acho bom negócio. Abraços.

        Carlos F P Neto

        03/10/2013 at 18:37

  11. Amigo, possuo uma FN 1900 …
    O estado não é PERFEITO… porem está em bom estado.
    O seu carregador está oxidado, onde eu poderia encontrar um “novo”?
    E qual valor eu poderia conseguir na venda da mesma?

    Djonathan

    04/08/2013 at 13:51

    • Djonathan, infelizmente não conhecemos onde pode conseguir o carregador. Grato pelo contato.

      Carlos F P Neto

      04/08/2013 at 14:37

      • Grato pela resposta.
        Mas você tem uma idéia de quanto ela valeria no mercado?!
        Obrigado.

        Djonathan

        04/08/2013 at 16:11

      • Djonathan, infelizmente não fazemos mais avaliações gratuitas; veja na nossa página principal. Grato pelo contato.

        Carlos F P Neto

        04/08/2013 at 16:32

  12. Amigo, sou colecionador, tem ideia de quanto vale uma fn 1910 7,65mm para compra ? Obrigado

    Victor Marques

    30/07/2013 at 11:08

    • Victor, em estado absolutamente original, funcionamento perfeito e devidamente legalizada, ofertas recentes apontam para R$ 1.500,00, preço máximo. Grato pelo contato.

      Carlos F P Neto

      30/07/2013 at 13:58

      • Então ela esta absolutamente original, porem como ficou municiada por muitos anos, a mola do carregador perdeu a pressão e esta muito dificil de arruma uma mola compativel, outra dúvida um pouco mais tecnica, um amigo disse que se usar munição moderna 7,65mm pode danifica-la pois as muniçoes moderna contem maior carga de polvora, sera verdade ou mito ?
        Obrigado pela rapida resposta.

        Victor Marques

        30/07/2013 at 14:03

      • Victor, nenhum problema quanto a utilizar as munições atuais nessa arma, desde, claro, que esteja em perfeitas condições. Grato pelo contato.

        Carlos F P Neto

        30/07/2013 at 15:02

  13. Excelente matéria!!! Tenho uma Browning Baby, 6,35 há mais de 30 anos. Infelizmente quebrou a ponta do percursor. Vocês podem me ajudar na busca de uma peça para reposição?
    Abraços.
    Marcus

    Marcus Vinicius de Toledo Cesar

    18/07/2013 at 9:41

    • Marcus, infelizmente não conheço quem possa ter a peça aqui no Brasil. Um bom torneiro conseguiria recuperá-la ou fazer outra, pois não se trata de componente crítico nem de complexidade de manufatura. Abraços.

      Carlos F P Neto

      18/07/2013 at 12:25

  14. Esse documentário a respeito dessas pistolas foi extraordinário. Matei minha saudade.

    flavio magalhaes de meneses

    20/08/2012 at 23:36

  15. Carlos, muito bom teu trabalho.
    Eu estava pesquisando sobre a minha pistola B. 7,65 para descobrir se ainda existem peças de reposição, e achei esse material muito interessante, me ajudou a descobrir que o meu modelo é de 1900 pelas fotos.
    Tirei fotos da arma e gostaria de te mandar para analisar o desenho das placas da empunhadura do cabo.
    Dentro da elipse, consta o desenho da pistola, e logo abaixo à direita o monograma NF em menor tamanho. Gostaria que te enviar as fotos, vamos entrar em contato.

    Alexandre Augusto Monteiro Wiener

    02/06/2012 at 10:54

    • Alexandre, fico no aguardo de suas fotos: armasonline@gmail.com, obrigado. A propósito, o monograma é FN, “Fabrique Nationale”, ok?

      Carlos F P Neto

      02/06/2012 at 14:36

      • Carlos mandei as fotos.
        Olha o detalhe do cabo!
        Muito obrigado pelo retorno.
        Alexandre Wiener

        Alexandre Augusto Monteiro Wiener

        09/06/2012 at 9:46

  16. Os artigos são excelentes e me faz lembrar os também excelentes artigos produzidos pela revista Magnum

    luiz flavio

    27/05/2012 at 19:50

    • Luiz, fico muito satisfeito com seus elogios, ainda mais comparando meus artigos com a excelente publicação que é a Magnum. Saudações cordiais.

      Carlos F P Neto

      28/05/2012 at 9:06

  17. Não constitue nenhum favor reconhecer a importância do seu trabalho; antes, esta atitude traduz um dever de justiça. A publicação de seus artigos revela espírito coletivo e participativo; desmistifica crenças, esclarece, informa, instrui, desperta interesse e rebate de forma acachapante golpeando de morte a mentira falaciosamente plantada no coletivo de que armas são instrumentos exclusivos de polícia e de bandidos. Há homens e mulheres de bem (nem polícia, nem bandido), cidadãos cumpridores de todas as exigências que a lei e as convenções impõem que tem admiração pelas armas como peças de colecionismo, pelo que despertam de fascínio por sua história, evolução, inventividade, genialidade, soluções mecânicas e arquivo (para quem souber interpretar) dos acontecimentos humanos. Sucesso na empreitada. Esperamos mais. Luiz Gonzaga

    Luiz Gonzaga Lisboa Duarte

    09/04/2012 at 9:47

    • Suas palavras são extremamente sábias, meu caro Luiz Gonzaga. Grande abraço com muito respeito de minha parte.

      Carlos F P Neto

      11/04/2012 at 10:26

  18. Sua disposição para a pesquisa e sua dedicação e despreendimento em dividir e difundir conhecimento são dignos dos mais efusivos elogios. Seu trabalho enriquece o espírito e presta relevante serviço à cultura. Muito já se tem dito a respeito das armas e do que elas representam como testemunho do desenvolvimento técnico da engenharia e como foram capazes de promover transformações sociais no panorama mundial. Alegra-me sobremaneira deparar-me com um sitio desse quilate e dessa conformação. Parabéns. Esperamos mais. Luiz Gonzaga

    Luiz Gonzaga Lisboa Duarte

    07/04/2012 at 19:55

    • Prezado Luiz Gonzaga, depoimentos como esse seu são mais que incentivos, enche-nos de orgulho e nos impulsionam para fazermos mais e melhor. Agradeço de coração.

      Carlos F P Neto

      08/04/2012 at 19:14

  19. Sou militar da PMCE, e gostei muito do artigo. Gostaria de saber como adiquirir um Hi-Power no calibre .40S&W. Obrigado

    JTS

    03/04/2012 at 18:51

  20. Gosto muito de armas se
    pudesse tinha uma coleçao inteira
    delas
    e sou fá de quem pratica esportes com armas

    celio gomes

    22/03/2012 at 23:36

  21. Boa noite!
    6,35mm é permitido no Brasil?

    Willian Oliveira

    21/03/2012 at 21:52

  22. Sérgio, o calibre correto das pistolas Luger são o 7,65mm e o 9mm. Encontrá-las hoje em dia é muito difícil, sendo que a maioria já está em mãos de coleções particulares. Como são armas de calibres restritos, você só poderá possuir uma legalmente obtendo um CR de colecionador junto ao Exército.

    Carlos F P Neto

    10/03/2012 at 17:19

  23. Sou paraquedista militar da reserva,qd na ativa adquiri uma pt Luger 7mm,e dela nao me separava jamais,sempre tirava servico com ela.Hoje estudo Direito e vou fazar concurso para promotor de justica
    apos o termino do curso.Gostaria de adquirir uma outra Luger 7mm,onde eu posso comprar uma com
    amparo da lei que me faculta possuir uma arma?

    Grato pela atencao

    Sergio Eustaquio Pinto de Queiroz

    10/03/2012 at 11:17

  24. Tudo depende do envio de muitas boas fotos; sem isso, impossível. Um abraço.

    Carlos F P Neto

    05/03/2012 at 14:39

  25. Carlos,
    Sou mais um novato sexagenário admirador de seu trabalho. Parabéns ! Imagino o tamanho da “mão de obra” que deve dar ! Si Vis Pacem, Parabellum.
    Sei da limitação do calibre .32 / 7,65 como arma de defesa,como por exemplo em uma pistola Walther PPK-S que tem por virtudes, tamanho e peso. Que tipo de munição poderia ser utilizado para minimizar esta deficiência ? Sucesso. Grato

    Marco Tullio Tomasetti

    26/02/2012 at 23:10

    • A mão de obra é compensada pelo retorno positivo que tenho dos leitores, assim como o seu. Uma das formas de melhorar um pouco o desempenho do cartucho 7,65mm Browning é utilizar pontas semi encamizasas e fazer uma recarga um pouco mais “quente” que a de fábrica. Daí entra a tentativa e erro. O maior impecilho é a fragilidade do fundo desses cartucho que, aliado a uma rampa pronunciada na entrada da câmara, causa sua deformação já no primeiro disparo.

      Carlos F P Neto

      27/02/2012 at 16:41

  26. Ola, eu tenho uma browning 1900, (7,65mm ) que foi achada enterrada por meu tio durante a construção de uma casa. Estava muito enferrujada, sem carrecador, amassada. Deve ter passado pelos menos ums 30 anos enterrada , ou seja, não tem condições de recuperação. Só fiquei sabendo de qual pistola se tratava após comparar com fotos na internet. Legalmente ela ainda é considerada arma de fogo ou apenas um objeto? (já que não e possível disparos). estou ilegalmente c uma arma ou não? Desejo permanecer com ela, pois é umas das poucas lembraças deixadas por meu tio. Obrigado.

    thacyro

    22/02/2012 at 23:42

    • Thacyro, pela sua descrição eu creio que será praticamente impossível que essa pistola ainda ainda funcione. Legalmente é claro que ainda é uma arma mas qualquer pessoa com um mínimo de conhecimento a julgará desativada. Continue com ela, sem dúvida, mantendo-a bem guardada.

      Carlos F P Neto

      23/02/2012 at 15:55

  27. boa noite,
    tenho um revolver browning 6,35 grifado em ouro a marca e o calibre, ganhei do meu avo ele e revolver não pistola, ja proucurei por imagens dele na internet não encontro nada similar, o tambor dele não abre tem um sistema de caregameto da lateral direita tipo uma wischester, na frente embaixo do cano tem um pino no gual serve para tirar a capsula da bala, e muinto pequeno te um escudo gravado varios pequenos desenhos e um “jv” gravado na lateral esqueda. queria saber mais sobre a arma, pois e uma arma muinto antiga ?

    marcos

    22/02/2012 at 21:34

    • Amigo, envie-nos várias fotos, de boa qualidade e bem detalhadas, para ajudá-lo na identificação de sua peça.

      Carlos F P Neto

      23/02/2012 at 15:57

  28. Boa noite !
    Tenho uma P08 9mm erfurt, a qual está em estado original com alguns pontos de oxidação, e possui muitas marcas de prova, gostaria de uma ajuda para identificar estás marcas. Desde já agradeço pela atenção.

    Renato l. Völz

    04/02/2012 at 21:36

  29. Alguem sabe quanto vale uma fn 1906 ?
    Obrigado

    Skull

    25/01/2012 at 19:00

    • Infelizmente não fazemos avaliações em armas, pelos motivos expostos em nosso artigo, Restauração, Conservação e Avaliação de Armas Novas e Antigas.

      Carlos F P Neto

      26/01/2012 at 15:43

  30. Possuo uma FN 1910, cal 7,65, devidamente registrada. Consta que foi de uso pessoal de meu avô, soldado alemáo, durante a I Gerra. Pelo núnero – 17141 – pode-se obter mais alguma informação?
    Grato.

    Roland Sydow

    05/01/2012 at 22:14

    • Infelizmente não encontramos dados sobre numeração de série das FN Browning 1910, mas ao que parece, deve ter sido logo no início de produção, pelo número baixo. Um abraço.

      Carlos F P Neto

      06/01/2012 at 11:11

  31. Tenho uma FN 1922 10/22 – 7.65 – idêntica à da foto. Pela numeração seria possível precisar o ano de sua fabricação? Até que ano esta arma foi produzida nesta especificação?

    José Fernandes Pires

    19/12/2011 at 18:06

    • José, quanto à numeração não temos dados corretos, uma vez que houve diversas interrupções na numeração ao longos dos anos da II Guerra. A 10/22 foi produzida até 1983, quando foi substituída pelo modelo 140DA.

      Carlos F P Neto

      20/12/2011 at 8:05

  32. Provavelmente seja a Hi-Power (veja fotos no nosso artigo) em calibre 9mm Parabellum, e não .380ACP.

    Carlos F P Neto

    05/10/2011 at 17:58

  33. Enviei-lhe um e-mail. Obrigado.

    Carlos F P Neto

    19/09/2011 at 11:54

  34. Tenho uma Luger artillery, 9mm, 1920 e quero vende-la. Essa arma está comigo há mais de 30 anos, veio de familiares. Se possivel qual o valor aproximado? Grato,

    Marcelo Barreto

    28/08/2011 at 13:30

  35. oi, quero saber se a browning FN 1900 cal 7,65mm aceita munição cal 32 ?? e tbem como se faz pra legalizar uma arma desse tipo aqui no Brasil ???

    Paulo

    20/08/2011 at 23:10

    • Não, a FN 1900 em calibre 7,65mm só aceita esse tipo de cartucho. A legalização de qualquer arma de fogo, no momento, não é mais possível pois a última anistia concedida pelo governo, à armas sem documentação e origem determinada, expirou em dezembro de 2009.

      Carlos F P Neto

      22/08/2011 at 9:18

  36. como se desmonta uma browning 1900, não estou conseguindo.

    jailson

    29/07/2011 at 11:54

    • Jailson, retire o carregador e abra o ferrolho, certificando-se da ausência de cartuchos. Feche o ferrolho e puxe o gatilho. Desaperte os dois parafusos do ferrolho e retire-os. Empurre o ferrolho para frente e retire-o – às vezes é necessário puxá-lo para trás, antes. Retire com cuidado a mola recuperadora, erguendo-a um pouco. Por trás, retire o bloco da culatra totalmente. Uma desmontagem além desse ponto não é recomendada. Um abraço.

      Carlos F P Neto

      29/07/2011 at 16:18


ATENÇÂO: Identificação e/ou avaliações de armas, leia primeiro a Política de Avaliações, no final do menu de Artigos. Peças, reparos ou assistência técnica, consulte o fabricante de sua arma; questões sobre esse assunto não serão respondidas.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.035 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: